TRANSLATE/TRADUTOR

terça-feira, setembro 30, 2008

ESPECIAL: a verdadeira origem da crise americana

AÇÕES AFIRMATIVAS POLITICAMENTE CORRETAS DESENCADEADAS
PELOS DEMOCRATAS ORIGINARAM MAIOR ROMBO FINANCEIRO

Venho insistindo aqui no blog que as matérias relativas à crise financeira americana que teve origem nos denominados empréstimos subprime escamoteiam a origem de toda a história.

Em post abaixo enfoco artigo publicado no site Bloomberg sob indicação de uma leitora-blogueira.


Agora há pouco, outro leitor do blog forneceu o link do site Anncoulter.com, onde há um artigo revelando que toda a origem dessa encrenca é obra da adoção do politicamente correto e de ações afirmativas defendidas e praticadas pelos Democratas desde o governo Bill Clinton, como tentarei resumir nas linhas que seguem.

No epicentro do estouro da bolha podre subprime estão duas empresas: a Fannie Mae e Freddie Mac. Embora de capital aberto servem uma “missão estatal” voltada a prover as classes pobres de moradias, segundo matéria que está no Globo online do dia 7 deste mês.

Esta reportagem afirma que “o governo norte-americano acredita que as grandes perdas dessas empresas, que devem ou garantiram quase metade das dívidas de 12 trilhões de dólares de hipotecas do país, estariam ameaçando a vitalidade do país, em uma época em que outras fontes de financiamento imobiliário se tornaram escassas”.

Não é à toa que o secretário do Tesouro, Henry Paulson, disse que a Fannie Mae e a Freddie Mac são tão grandes que "a falência de uma delas causaria uma crise imensa em nosso mercado financeiro doméstico e nos mercados mundiais".

Já o artigo de Ann Coulter revela que essas duas empresas foram na verdade a ponta de lança politicamente correta no governo Bill Clinton, viabilizando as ações afirmativas apoiadas pela maioria democrata no Congresso.

“Sob Clinton – informa o artigo -, todo o governo federal colocou maciça pressão sobre os bancos para conceder empréstimos hipotecários para os mais pobres e as minorias. O Secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, do governo Clinton, Andrew Cuomo, investigou Fannie Mae para a discriminação racial e propôs que 50 por cento das carteiras da Fannie Mae e da Freddie Mac fossem compostas por empréstimos a mutuários de renda baixa e moderada até o ano de 2001”.

No governo Bush, Fannie Mae e Freddie Mac sofreram um fogo cerrado dos republicanos, mas essas duas entidades, segundo afirma Ann Coulter, ainda mantinham importantes aliados democratas.

Coulter conclui o artigo afirmando que "o politicamente correto já tinha arruinado educação, desporto, ciência e entretenimento. Mas ele teve um presidente democrata com um Congresso democrata politicamente correto para destroçar a indústria financeira".

O que coloquei nessas linhas é algo superficial. Eu não estou nos Estados Unidos como está um grupo de correspondentes da Folha de São Paulo e até mesmo um time da Rede Globo e o programa Manhattan Conection, por exemplo. A turma da Folha tem inclusive um blog da campanha eleitoral americana que se dedica a adubar a candidatura de Obama.

Eu queria mesmo saber o que esses jornalistas estão fazendo lá.

O que precisa ser dito e revelado está sendo escamoteado pela grande imprensa.

Notem que a situação a respeito desse acordo salvacionista proposto pelo governo americano está confusa.

Lembrem, por exemplo, do esforço de Bush para a aprovação de uma nova lei regulando a imigração.

Recordem as grandes manifestações e passeatas contra as iniciativas de Bush na área da imigração, sendo que todos esses movimentos tinham o apoio aberto ou velado dos democratas.

E, por fim, atentem para o fato de que o Presidente Bush é malhado praticamente por toda a grande mídia em qualquer lugar do mundo.

Os países desenvolvidos da Europa já mandaram fogo nos botocudos imigrantes. É certo que sofreram ataques dos politicamente corretos, mas nunca na dimensão sofrida por Bush.

Convenhamos, por trás disso há outros interesses que vão muito além de ideologias. E quando o dinheiro fala, a ideologia cala, não é mesmo?

Que tamanho poder tinham Fannie Mae e Freddie Mac responsáveis por um rombo de quase US$ 12 trilhões de dólares? É uma cifra que corresponde mais ou menos ao total de qualquer coisa em torno de seis a sete anos consecutivos das importações dos Estados Unidos do resto do mundo!

Entretanto, só no dia 7 deste mês é que o governo americano assumiu finalmente o controle dessas duas companhias de crédito, de modo a brecar toda essa loucura.

Em tudo isso há clara semelhança com as políticas afirmativas politicamente corretas levadas a efeito no Brasil sob o governo de Lula e seus sequazes.


Ao mesmo tempo assiste-se à profusão de empréstimos pessoais e ao fato de haver uma financeira em cada esquina distribuindo panfletos oferecendo empréstimos no Brasil da era Lula.

De outro lado, registra-se a inusitada iniciativa de grandes empresas comerciais de varejo criando suas próprias financeiras e turbinando o consumo.

Finalmente, relatório do Banco Central divulgado na imprensa nesta segunda feira informou que os brasileiros estão bastante endividados, como nunca antes neste país. Tudo isso é motivo para fundadas preocupações.

Repito mais uma vez. Torço para que os americanos resolvam essa crise. Torço para que o Brasil com ou sem Lula esteja realmente protegido contra essa fantástica e incomensurável crise.

Espero que a partir deste meu artigo os editores dos jornais, televisões e rádios resolvam incrementar as pautas saindo em busca de informação.

A propósito cliquem AQUI indo direto ao site do Estadão onde há uma matéria e gráfico sobre as origens da crise americana. Comparem com este meu artigo.

(Meu agradecimento ao leitor Stefano pela dica do artigo do site Ann Coulter. Eis aí o "jornalismo colaborativo")

Para quem não conhece Ann Coulter, clique AQUI para saber mais. É uma escritora conservadora e polemista americana que costuma mandar fogo sem parar nos botocudos. É odiata pelo esquerdismo.

7 comentários:

Rodrigo disse...

Coitadinho dos banqueiros! Foram "obrigados" a emprestar dinheiro. Ahhh....

Só tem reaça loco neste mundo, meu deus do céu...

Jack disse...

Pois é isso aí que eu ando dizendo. Cade o país perfeito, onde não há lugar pro politicamente correto, pro Estado intervencionista, onde o liberalismo dita as regras perfeitas para a sociedade? Cade o país onde muitos aqui colocavam a mão no fogo como sendo o paraíso sobre a terra? Cade o país governado pelos melhores cérebros do planeta? Cade os anglo-saxões?

Jack disse...

E aí, Aluizio, ainda torcendo para que a crise não dure mais que 3 dias?

Não sei se você entende como funciona o lance do câmbio, mas é mais ou menos assim. Imagine que você tem 100 gramas de ouro em um lado e 100 dólares no outro lado. O valor dos dois lados sempre será o mesmo. Isso é muito importante. O valor dos lados sempre será o mesmo. Na situação atual você tem 1 dólar pra cada grama de ouro, ou seja, um dólar vale um grama de ouro. Agora se você imprime mais dinheiro, por exemplo, mais 100 dólares, você passa a ter 100 gramas de ouro em um lado e 200 dólares no outro. Lembre-se que os dois lados valem a mesma coisa. Agora você tem 2 dólares pra cada grama de ouro, ou seja, um dólar vale apenas 0,5 grama de ouro. Você imprimiu dinheiro e acabou desvalorizando a grana. Nada mais que inflação. Antes você comprava um grama de ouro com um dólar e agora você precisa de 2 dólares pra fazer a mesma compra.

Na vida real tem-se de um lado o quanto o mercado confia que vale a economia de um país e do outro a quantidade estimada de dinheiro que tem circulando (M3). A cada dia o FED injeta mais dinheiro no sistema. Ontem mesmo foram 630 bilhões. Desde julho do ano passado até agora foram injetados valores na ordem dos trilhões. Imagina o que isso vai fazer com o valor do dólar. É por isso que tem gente prevendo o colapso do dólar. Tem mais 700 bilhões vindo aí pra resgatar os bancos...

Jack disse...

O FED vai imprimir dinheiro até acabarem as árvores, será uma catástrofe. Imagine que o governo americano quer salvar as instituições da falência, emprestando dinheiro, ou assumindo dívidas. Isso não faz o menor sentido, pois a instituição mais quebrada do mundo é o próprio governo americano. Outra. O FED foi quem criou esta bagunça com as taxas de juro a 1% e tudo mais, foram eles que avacalharam tudo, e agora são eles que querem dizer a todos como se faz pra sair dessa enrascada? Eles não tem a menor idéia do que fazer pra escapar dessa. Eles só irão piorar a situação. Você acha que o Obama tem a menor idéia de como lidar com esta crise? O McCain também não tem. Os dois só vão piorar as coisas ainda mais. O problema da economia america é que eles emprestam dinheiro e consomem tudo, eles não produzem praticamente nada, apenas consomem. Os estrangeiros produzem e emprestam para os americanos. A riquesa está sendo acumulada fora dos EUA. O irônico é que a recessão é a solução dos problemas dos americanos, mas os americanos querem evitar a recessão a qualquer preço. Foi tentando evitar a recessão pós 11 de novembro que tudo isso começou. A recessão faz as pessoas consumirem menos e guardar mais dinheiro. A recessão é o cura, o comportamento do FED é a doença. O remédio proposto pelo FED vai matar a economia. É no mínimo irônico.

Escatopholes disse...

A origem da crise norte-americana está no mais óbvio e simples princípio da vida: ninguém pode gastar mais do que ganha!!! Se você vai gastando mais do que ganha, no início você vai tomando empréstimos e se endividando, mas em algum momento você terá que prestar contas das dívidas.
Acho que chegou a vez do povo norte-americano prestar contas das suas dívidas.

Como foi que o Brasil conseguiu um saldo de USD200 bilhões? Simples: gastando menos do que se arrecada.

Álvaro Junqueira disse...

Apesar de bonitinha, acho ela meio "over" em alguns temas. Mas no caso dessa crise, acho, sim, que a tese dela merece ser esmiuçada. Aparentemente, tem lógica, pé e cabeça, o que não ocorre em outras diatribes cometidas por ela.
Abração

Suzy disse...

Aluizio, você nunca foi superficial! Os pseudo-jornalistas que estão nos USA devem estar é a turismo ou mal intencionados (nenhuma novidade). E a Ann Coulter é fantástica e nem um pouquinho "over" como dizem alguns.
Parabéns por praticar o jornalismo politicamente incorreto!

Grande abraço

PS- uma sugestão: assine gratuitamente para receber os artigos da Ann Coulter(o site você já sabe) e outros ótimos artigos no Human Events
http://www.humanevents.com/