TRANSLATE/TRADUTOR

quinta-feira, setembro 26, 2013

PEPE MUJICA RECEBE APOIO TOTAL DO CLUBE BILDERGERG PARA LIBERAR USO DOS ENTORPECENTES, COMEÇANDO PELA MACONHA. CIGARRO DE TABACO, NEM PENSAR.

Os descolados George Soros, Pepe Mujica e David Rockefeller: unidos pela liberação dos entorpecentes. 
Uma reportagem da agência internacional de notícias EFE, publicada no site venezuelano  25Segundos, enfoca um detalhe importante do convescote cucaracha-bolivariano montando em New York durante a assembléia da ONU, que reuniu os tiranetes comunistas latino-americanos.
A grande imprensa que inclui obviamente as agências internacionais de notícia, deu expressivo destaque aos eventos paralelos dos quais os tiranetes do Foro de São Paulo participaram. A notícia mais destacada foi o encontro do presidente do Uruguai, Pepe Mujica teve com duas personalidades: David Rockefeller e George Soros. E o assunto foi a liberação dos entorpecentes. 
E, para quem afirma que a tal “nova ordem mundial” e o “Clube Bilderberg” são apenas teorias conspiratórias dos malucos da internet, a matéria da agência EFE revela o contrário, quando destaca Rockfeller como um dos fundadores do Grupo Bilderberg, o “clube” das pessoas mais influentes do mundo, ressalta. O Clube Bilderberg, como o Foro de São Paulo, foram transformados pela grande mídia num tabu. Nenhum jornalista - com raras exceções - se refere a essas organizações.
Tanto Rockefeller como Soros estão empenhados numa campanha internacional para a liberação dos entorpecentes. Todavia, ninguém se arrisque a acender um cigarro de tabaco perto desses dois ícones do Clube Bilderberg que será não só censurado como expulso do ambiente.
Mujica recebeu o maior apoio de ambos. Soros, que é o presidente da Open Society Foundation, ofereceu toda a ajuda possível para que o processo de liberação dos entorpecentes inciado no Uruguai possa avançar com maior facilidade. 
Rockfeller, Soros e Mujica compartilham a mesma idéia: a política geral atual com respeito  ao narcotráfico não está dando resultado. Pelo raciocínio do tupamaro e dos dois bilderbergs, deduz-se que, se a repressão ao crime em geral não tem evitado os crimes, basta então que se libere todos os criminosos. Acabam-se as prisões e os julgamentos e todos seguirão felizes as suas vidas. Trata-se, como se evidencia, de um troço bestial.
Mas não deixa de ser interessante todos esses detalhes que aproximam dois bilionários americanos com governos esquerdistas latino-americanos. Pelo menos estão unidos em torno da maconha. Ambos são ricos e poderosos e deles jamais se ouviu qualquer censura aos regimes tirânicos de viés cubano que infestam a América Latina. Muito pelo contrário.

Transcrevo na íntegra a reportagem da EFE no original em espanhol publicada no site 25Segundos. Leiam:

(Montevideo, 25 de septiembre. EFE)- El presidente de Uruguay, José Mujica, cruzó hoy el Rubicón, según sus propias palabras, para reunirse en Nueva York con David Rockefeller, nieto del fundador de la Standard Oil, con el que habló sobre la legalización de la marihuana.

Según un comunicado divulgado por la Presidencia de Uruguay, Mujica, de 78 años y Rockefeller, de 98, intercambiaron ideas relativas al proceso de regulación del mercado de la marihuana que se está desarrollando en Uruguay en la residencia del millonario.

Rockefeller, uno de los fundadores del Grupo Bilderberg, el "club" de las personas más influyentes del mundo, mostró una "visión positiva" sobre el proceso, según subrayó Mujica, que se encuentra en la ciudad estadounidense con motivo de la Asamblea General de la ONU, donde este martes pronunció un discurso.

El presidente uruguayo, que perteneció a la guerrilla tupamara, señaló que el encuentro fue para él como "cruzar el Rubicón", lo que significa que dio un paso decisivo a sabiendas del riesgo que implicaba. La expresión recuerda la decisión de Julio César de regresar a Italia, cruzando el río Rubicón, sin permiso del Senado.

Sin embargo, Mujica dijo que Rockefeller es el "símbolo de una realidad" y que su grupo político "siempre reconoce las realidades".

El mandatario narró que el multimillonario le contó que su padre que, en principio apoyaba la Ley Seca en los EE.UU, "cambió absolutamente tras ver sus efectos y se fue para el otro lado".

"Se dio cuenta de que (la prohibición) había sido un disparate por el efecto práctico. Entonces él tenía la preocupación intelectual de saber. Porque se da cuenta de que la política antidroga y antinarcotráfico que se aplica no da resultado", afirmó Mujica.

El mandatario, por su parte, le relató al millonario la historia del alcohol en Uruguay, en donde el Estado estableció un monopolio a principios del siglo XX y le explicó el proyecto de regulación de la marihuana que ha emprendido en su país, de 3,2 millones de habitantes.

Es "un experimento que queríamos hacer, por las dimensiones que tiene Uruguay, para intentar encontrar caminos", subrayó.

"La tesis central es arrebatarle el mercado al narcotráfico y tratar de identificar un público que consume, y que es clandestino, para no dejárselo al narcotráfico. Y que cuando detectemos que ese público se está pasando de la raya, poder atenderlo como enfermo", explicó Mujica.

El pasado lunes Mujica, al que se ha calificado como el presidente más pobre del mundo por su estilo de vida austero y porque dona su sueldo para obras sociales, se reunió con otro multimillonario, el inversor George Soros, de origen húngaro.

Soros, presidente de la Open Society Foundation, ofreció a Mujica toda la ayuda posible para que el proceso iniciado en Uruguay pueda avanzar con mayor facilidad en el entendido compartido por ambos de que la política general actual respecto al narcotráfico no está dando resultado.

Soros razonó entonces que los cambios que se puedan realizar a escala internacional en el futuro dependen del éxito que tenga el plan regularizador de Mujica, al tiempo que se ofreció a apoyar programas educativos en Uruguay para combatir el consumo de drogas y otras adicciones. Do site 25Segundos

8 comentários:

JEFF ON LINE disse...

Pela primeira vez tenho que concordar em partes com os trilhionários, o usuário de drogas tem que ser tratado como um doente, como é o alcólico. E o Estado deveria cadastrar, identificar e fornecer as doses diárias da droga para os dependentes, e criar a pena de morte para quem der ou fornecer drogas a menores de idade. A maconha não deve ser legalizada, mas tolerada e permitida, com penas de multas para quem fumar em público. E todos os viciados perderem alguns direitos, como de dirigir, pilotar aeronaves, embarcações, assumir cargos públicos, ser representante legal de empresas etc. A apologia às drogas deve ser também um crime grave com penas de detenção e multas. Mas se tirarmos os consumidores das mãos dos narcotraficantes, acabamos com o narcotráfico e poderemos controlar o alastramento das drogas na sociedade. Não tratar o usuário, viciado como criminoso, e também não liberar geral, mas trata-lo como dente dependente, e se usar em público ou em festas, condenar a detenção até pagamento de multas. Mas pra isso precisamos TER governo, o que o Brasil não tem há décadas.

Coronel Manelim disse...

Pô Aloízio, coloca aí a ferramenta de pesquisa no seu blog. Demoro muito pra encontrar um determinado texto no seu blog. Facilita a vida dos seus leitores, caro Amorim.

Anônimo disse...

Concordo em parte com Jeff on line , tratar viciado como doente, o é mais difícil e separar usuário de traficante.A liberação da droga traria para o país muita corrupção legalizada.O Uruguai se aventura pelos caminhos da escuridão social trazendo a influência do clube Bilderberg .É uma organização terrorista que subjuga a população, controlando o governo dos Estados Unidos,a União Europeia , o Banco mundial, o Fundo Monetário internacional.Muitos figuras da ciências contribuíram para os propósitos destes senhores do mal. Skinner um educador de renome fazia parte do grupo: considerava a família incompetente para educar os filhos e propões os filhos educados pelo estado e separados dos pais.Os meios de comunicação fazem parte desta elite dos mestres do mal que são desconhecidos pela população analfabeta funcional.O totalitarismo é uma solução para dominar os povos desmoralizados como muitos que há no mundo.Para quem quiser ler sobre estes senhores indico o livro " A Verdadeira História do Clube Bilderberg. Dá muito o que pensar.

Anônimo disse...

Esse mujica vai atolar o Uruguai.É uma pena,trata-se de um país hospitaleiro.

Paulo disse...

O capeta em três versões!!!

Celso rosario disse...

Pena de morte para traficante,perpetua para contrabandista,confisco de todos os bens nos crimes de corrupção,sequestrador e assaltante crime inafiançavel independente de ser primário ou não e comprimento da pena na sua integra,escolas profissionalizante nas cadeias para crimes de furtos e roubos com direito a integração na sociedade.

GRAÇA NO PAÍS DAS MARAVILHAS disse...

E quem disse que governo dá ALCOOL para os alcóolatras? Vcs estão malucos? estão indo na conversa fiada dos grandes cartéis das drogas???

Anônimo disse...

Quanta bobagem.......