TRANSLATE/TRADUTOR

sexta-feira, novembro 17, 2017

HORA DA MAIORIA SILENCIOSA SAIR DA ZONA DE CONFORTO E PARTIR PARA GUERRA. SIM, A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL VEM AÍ E O TEMPO CORRE!

O algoritmo do Facebook é meu amigão! Lembrou uma postagem que publiquei há 1 ano e me inspirou a escrever este artigo que segue abaixo. A imagem acima ilustrou outro artigo que escrevi quando da prisão do ex-governador Sergio Cabral. Como podem notar pelo semblante da galera na foto era tudo alegria até que a Lava Jato entrou em ação. 
O Facebook tem um algoritmo que resgata postagens antigas e indaga ao titular da página se ele deseja compartilhar com seus seguidores. Hoje apareceu na minha página a imagem referente a uma análise que postei aqui no blog com chamada no Facebook sobre a prisão do ex-governador Sergio Cabral.

"Na vida tudo é passageiro, menos condutor e motorneiro", conforme assinalou o emérito frasista que foi o Barão de Itararé, que marcou época. O tempo corre célere e já estamos chegando ao Natal e próximos da virada do ano rumo a 2018. Tudo é passageiro, e passa rápido! 

E só para ver como é inclemente a corrida do tempo neste 17 de novembro de 2017 faz exatamente um ano que a Operação Lava Jato enjaulou o ex-governador Sergio Cabral que reinou absoluto no Rio de Janeiro em clima de festa e gozando - e bota gozar nisso - as delícias do poder sob a bênção de Lula.

Nessa postagem repliquei a foto acima veiculada na oportunidade pelo site O Antagonista. Vê-se no flagrante um clima de festa. Era só alegria até que a Operação Lava Jato rompeu o diáfano véu da fantasia petralha fazendo emergir a verdade dos fatos.

Vale a pena portanto relembrar esses eventos. O ano de 2018 está logo ali. Todos terão a sensação temporal de velocidade extrema no passar do tempo pontuada pela legislação eleitoral tendo em mira o pleito presidencial de outubro de 2018. Afinal, serão as eleições para Presidente da República e renovação da Câmara Federal e 1/3 do Senado.

Face a tudo que tem acontecido no Brasil depois da Operação Lava Jato não resta a menor dúvida de que essas eleições oferecem uma oportunidade inaudita na história política nacional de promover uma virada total, uma limpeza geral.

Enfim, chegou-se a uma situação de descalabro econômico, moral e ético sem paralelo em nossa história. Mas em que pese esta realidade dramática que envolve e ameaça os brasileiros boa parte do eleitorado, das pessoas comuns às esferas mais aquinhoadas, permanecem naquele silêncio condescendente e oportunista. Fosse meia dúzia dessa gente covarde tipificada como "maioria silenciosa", tudo bem. Mas é uma parcela considerável. E nem a revelação pela Lava Jato pondo a nu o turbilhão de corrução, escândalos e roubalheiras variadas é capaz de sensibilizar esse apreciável contingente de brasileiros.

É num ambiente deste que prosperam os institutos de pesquisa, as fake news, as reportagens e notinhas de encomenda, o falseamento dos fatos e o turbilhão de fofocas de forma a relativizar os fatos. Esta é a realidade dramática do ambiente brasileiro a menos de 1 ano das eleições presidenciais e legislativas.

Tudo isso compõe um esquema perverso que realimenta a alienação oportunista de uma imensa parcela do eleitorado que vai de A a C no processo de estratificação social. Nesse aspecto a mainstream media joga um papel fundamental ao sonegar as informações mais importantes ou relativizando-as: "olha, não é bem assim...", e lá vem um exemplo capcioso embaralhando os fatos.

São estas ações levadas a efeito pela grande mídia com a condescendência da massas silenciosas que têm tudo cevar um golpe eleitoral, ou seja, a manipulação do resultado, ainda mais se o TSE resolver passar por cima do Congresso que determinou a troca das velhas urnas por novas que emitem voto em papel para eventual auditoria. 

O que é interessante notar é que esta eleição presidencial é a primeira que se fere sob a força das redes sociais. Prova disso é a performance do pré-candidato Jair Bolsonaro, o único dos atuais postulantes que reúne multidões e se utiliza exclusivamente das redes sociais para dialogar com os eleitores. Sim, porque Bolsonaro leva pau a torto e a direito de toda a grande mídia. Inclusive dos grandes veículos de mídia internacionais como há pouco ocorreu com reportagem da publicação britânica The Economist.

Li hoje por aí que Fernando Henrique Cardoso, o chefão dos comunistas brasileiros, está nos Estados Unidos palestrando em uma universidade. Ora, as universidades americanas há anos são controladas pelos comunistas. Essas universidades, mormente no setor das ciências sociais, tornaram-se braços da mainstream media. Tanto é que quando Bolsonaro esteve nos Estados Unidos sua equipe abortou em boa hora sua ida a George Washington University, organizada por um pelego americano do PT.

A coisa funciona assim. Se for um conservador a falar numa dessas arapucas acadêmicas leva pau de toda a grande mídia. Se, pelo contrário, for um chefete comunista como FHC, será bem tratado e ainda terá destaque na CNN, Washington Post e New York Times.

Em linhas gerais este é o cenário político-eleitoral armado pela canalha comunista. Desesperados, são capazes de tudo! Até agora não conseguiram viabilizar nenhum candidato. Os nomes elencados por eles não podem sequer aparecer em saguão de aeroporto.

Tudo isso é razão mais do que suficiente para que aquela maioria silenciosa rompa o silêncio e se una a todos os que assumem de fato a sua cidadania e estão nas ruas, nos aeroportos, nas rodoviárias, nas escolas e universidades lutando para que amanhã o Brasil não vire uma Venezuela. O grito de guerra desses brasileiros tem sido um só: "É bom Jair se acostumando". 

Sponholz: Temer e as evidências.


Clique sobre as imagens para vê-las ampliadas

QUANDO O "OUTRO LADO" NÃO TEM O QUE DIZER. AFINAL, R$ 12 TRILHÕES EVAPORARAM...

Os leitores mais atilados sabem, sobretudo aqueles que lêem veículos impressos, como os jornais, que a grande mídia finalmente foi eviscerada pela ação corrosiva das redes sociais, blogs e sites independentes. Tradicional valhacouto de comunistas aqui no Brasil como em todo o mundo, incluíndo-se aí as famigeradas agências internacionais de notícias, a grande mídia está finalmente foi para o vinagre.

Refiro-me aos leitores de veículos impressos (jornais e revistas) porque esse nicho de consumidores de mídia reúne aquelas pessoas mais bem informadas. Ler é um ato solitário que exige sobretudo concentração, o domínio de vocabulário razoável, de conhecimentos gramaticais, políticos,  econômicos, geográficos e geopolíticos.

Aqueles leitores que reúnem ainda que minimamente essas qualidades por certo se informam atualmente muito mais pelo que oferece a internet.

Por enquanto no Brasil e talvez no mundo o único veículo da grande mídia impressa que compreendeu isso e se antecipou para uma 'segunda vida', é o jornal Gazeta do Povo, do Paraná. Esse tradicional jornal impresso passou-se com armas e bagagem para a internet. Mas não é só isso.

Os empresários e investidores desse projeto de jornal diário virtual foram muito mais além da forma digital. Afinal, de que adiantaria essa mudança se o conteúdo editorial emulasse os jornais da velha grande mídia, atualmente useira e vezeira na produção das ridículas "fake news"?

Tanto é que a Gazeta do Povo mudou não apenas em sua forma, porquanto imprimiu um novo viés editorial. Soube ouvir seus leitores e, por isso, passou a abrir espaço a um jornalismo que não reza apenas pela cartilha comunista, abrindo espaço também para um debate político que inclui a agenda conservadora. E isto não acontece apenas no que se refere a artigos de opinião mas também no âmbito das pautas diárias. A leitura desse jornal agora pela internet demonstra isso. Não tem esse troço de ouvir o "outro lado". Aliás, há fatos que são tão evidentes que ouvir o dito "outro lado" é um ato criminoso e uma forma matreira de tentar salvar vagabundos e ladrões de todos os matizes.

A Gazeta do Povo, por exemplo, mantém uma seção dedicada exclusivamente à Operação Lava Jato onde o "outro lado" ou está na cadeia ou na iminência de ser preso.

A propósito, a Gazeta do Povo acabou de publicar uma matéria que dá uma ideia das fabulosas roubalheiras e corrupção que desgraçaram o Brasil. Trata-se de um levantamento sobre as apurações da Operação Lava Jato. Dois Brasis praticamente foram ladeira abaixo levando-se em conta o PIB - Produto Interno Bruto do País.

Fosse a Folha de S. Paulo, Rede Globo, Estadão et caterva, por certo seria ouvido o "outro lado", se é que nessa altura dos acontecimentos a gentalha do PT e seus sequazes ainda tenham a cara e a coragem de se contrapor às evidências.

Transcrevo como segue a matéria da Gazeta do Povo que tem o seguinte título: Na casa do Trilhão - Movimentações financeiras da Lava Jato já equivalem ao dobro do PIB brasileiro. Leiam:
UMA BARBARIDADE
Em pouco mais de três anos, a Operação Lava Jato analisou, em termos de movimentações financeiras, o equivalente a quase o dobro do valor do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Segundo dados da Polícia Federal, foram analisados cerca de R$ 12 trilhões, sendo que o PIB chegou a R$ 6,266 trilhões em 2016. Esse montante, segundo peritos, representa tudo que já foi identificado em contratos na Petrobras, em obras concluídas e inacabadas, em movimentação de dinheiro no exterior, em obras de arte, entre outros.
Em termos de bens bloqueados ou apreendidos nas mais de 40 fases da Lava Jato, o valor total chega a R$ 2,4 bilhões. Esses valores tendem a se manter, uma vez que a Polícia Federal reduziu a equipe destacada para atuar na Operação Lava Jato, em Curitiba. Para 2018, sob comando do novo diretor-geral da PF, Fernando Segóvia, não está descartada uma nova onda de contingenciamento. Neste ano a instituição amargou com um limite orçamentário de cerca de pouco mais de 40%.
A equipe da Lava Jato, em Curitiba, era composta por nove delegados federais até o início de 2017, que atuavam exclusivamente no caso. Atualmente, apenas quatro delegados cuidam dos quase 200 inquéritos em andamento e a força-tarefa que atuava exclusivamente no petrolão foi desfeita.
Há muitas especulações e incertezas sobre o futuro da Lava Jato na Polícia Federal. Sob anonimato, um delegado do alto escalão analisou que as operações certamente devem ganhar um novo ritmo com as mudanças na linha de comando da instituição. “Com um novo diretor-geral e com as possíveis alterações de equipe, até os novos profissionais tomarem pé dos trabalhos, leva um tempo”.
Até o dia 20, quando formalmente Fernando Segóvia toma posse como novo diretor, devem ocorrer muitas reuniões para formação de novas equipes de trabalho, tanto no âmbito da Lava jato, como de temas relacionados a crimes financeiros e drogas. A primeira saída será a do atual diretor executivo da Polícia Federal, Rogério Galloro, que deve assumir a Secretaria Nacional de Justiça, ligada ao Ministério da Justiça.

Deflagrada em março de 2014, a Lava Jato é considerada a maior e mais longeva operação de combate à corrupção da Polícia Federal, realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal. Do site da Gazeta do Povo.

quinta-feira, novembro 16, 2017

HITLER RETORNA COMO ARAUTO DA 'DIVERSIDADE'. OU: QUANDO A FICÇÃO AJUDA A COMPREENDER A TENTATIVA DE DEVASTAR A CULTURA OCIDENTAL.


Mais um vídeo traduzido pela sempre sensacional Embaixada da Resistência. Afinal, resistir é preciso. No desenho animado com duração de pouco mais de 5 minutos que está aí acima é possível matar a charada, como se diz na gíria.

Hitler retorna ao século XXI e jura de pés juntos que não é mais nazista, mas que se transformou num arauto da "diversidade", conceito estranho e ao mesmo tempo aplicável a qualquer área do conhecimento, indo da "diversidade bundalelê" que nega a distinção entre os gêneros masculino e feminino (diversidade sexual) até o denominado "multiculturalismo" ou "diversidade cultural".

Desta feita, Hitler retorna não para pregar o nazismo mas a "diversidade", ou seja, o "nazismo bundalelê" que detona os Estados-Nação, eliminando as fronteiras e, com isto, decretando a morte da "cultura ocidental" por meio da miscigenação forçada para dar lugar a um governo mundial. Essa agenda tem o apoio de todos os partidos esquerdistas do mundo inteiro.

Vejam o vídeo e entendam o que está em jogo. É um bom começo para compreender o que de fato está acontecendo e o nível de avanço dessa "engenharia social" manipulada pelo movimento "globalista" do qual a ONU e a União Européia são no momento pontas de lança.

Como já afirmei aqui no blog, estou selecionando alguns vídeos para postagem de forma a levar até os leitores a abordagem de temas como o 'globalismo', assunto que a grande mídia escamoteia. Afinal, a dita mainstream media e seus jornalistas de aluguel fazem parte fazem parte do esquema. A morte da cultura ocidental é a tábua de salvação para esses velhacos. Afinal as grandes corporações são grandes interessadas no esquema e potenciais anunciantes que sustentam a grande mídia no mundo inteiro.

Hitler está de fato revivido na "diversidade", um das dezenas de conceitos criados nos laboratórios da ONU e da União Europeia baseados no deletério "pensamento politicamente correto."

Conceitos não são apenas palavreados. Afinal, é por meio dos conceitos que damos nomes às coisas e as identificamos, como nos ensina a epistemologia no que concerne ao processo cognitivo.

Na atual etapa as pessoas passam por uma verdadeira lavagem cerebral. Isso pode-se constatar por aquilo que é propalado pelos meios de comunicação não apenas no tocante ao noticiário, mas também aos ditos produtos "culturais", como novelas, programas de auditório, cinema, teatro e o show business com destaque para as "artes" em geral.

Na escala de prioridades do movimento "globalista" em primeiro lugar estão a grande mídia e o sistema educacional. Nestes os globalistas reinam praticamente absolutos. A contraposição aparece apenas na internet no âmbito das redes sociais, blogs e sites independentes e conservadores.

A luta pela defesa da nossa liberdade passa em primeiro lugar pelo entendimento do que esses novos "conceitos" têm em mira.

Sponholz: Golpe fatal!

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

quarta-feira, novembro 15, 2017

"É MELHOR 'JAIR' SE ACOSTUMANDO" VIRA TEMA DO CANCIONEIRO POPULAR SULISTA NA VOZ DO CANTOR E COMPOSITOR CATARINENSE JUCEMAR DA SILVA.


À medida em que o tempo vai passando célere rumo a 2018 a pré-candidatura presidencial do deputado Jair Messias Bolsonaro vai rasgando fronteiras e se espraia pelo Brasil inteiro. Esta é uma verdade insofismável.

Tanto é que que inspirou um artista catarinense compositor e intérprete da música popular regional do Sul do Brasil. Trata-se de Jucemar da Silva, de Araranguá, cidade do extremo-sul de Santa Catarina, que compôs e acaba de gravar "É Melhor Jair se Acostumando".

O título da música é o grito de guerra dos apoiadores do presidenciável baseado no seu primeiro nome "Jair", junção do advérbio 'já' com o verbo 'ir'. Como podem reparar a letra da música resume em versos o estado de degenerescência moral, política e econômica em que o desgoverno do PT mergulhou o Brasil e que veio à tona após a descoberta do 'petrolão' pela Operação Lava Jato.

E, como não poderia deixar de ser, o refrão da música adverte: "É melhor já ir se acostumando/ Bolsonaro/ está chegando pra fazer o Brasil mudar/ É melhor já ir se acostumando/ Bolsonaro está chegando/ e o Brasil vai melhorar.

POR QUE JORNALISTAS DA GRANDE MÍDIA SÃO ESQUERDISTAS?



Neste vídeo traduzido e legendado pelo excelente site Tradutores de Direita, Roger Scruton, o filósofo conservador inglês mais proeminente da atualidade, foi convidado do IPA - Institute of Public Affairs, um think tank baseado em Melbourne, na Austrália.

Os tradutores traduziram uma entrevista que Scruton concedeu ao The Bolt Report, Canal Dez da Austrália, em 11 de maio de 2014, por ocasião do lançamento do já famoso livro de Roger Scruton “How To Be a Conservative” (Como ser um conservador) que já foi lançado no Brasil em português pela Editora Record.

O vídeo é curto mas o suficiente para que Scruton sintetize o que é ser conservador. Ao responder logo no início uma pergunta do entrevistador, Scruton explica por que a maioria dos jornalistas é esquerdista.

Vale a pena ver este vídeo. Aliás, estou selecionando diversos vídeos do mesmo naipe para postagem aqui no blog, visando contribuir para o debate político e, sobretudo, para desmistificar os bobalhões esquerdistas e o turbilhão de fake news que produzem impunemente.

Em certos casos chega a ser grotesco o que produz a grande mídia com pretensão de verdade. Isso decorre de apenas um fato: excesso de ignorância misturado com burrice.

Quem quiser adquirir o livro "O que é ser conservador", basta clicar sobre a foto de qualquer livro à venda aqui no blog. O leitor irá diretamente ao site da Amazon. Lá é só buscar pelo título do livro e efetuar a compra.

terça-feira, novembro 14, 2017

O FENÔMENO BOLSONARO AGITA A CAPITAL CAPIXABA


Neste momento o deputado Jair Bolsonaro está em Vitória, a capital do Estado do Espírito Santo, onde uma multidão recepcionou o pré-candidato presidencial no aeroporto como mostra o vídeo acima desde o desembarque até ser carregado nos ombros de seus eleitores no saguão do aeroporto.

Já no vídeo abaixo, enquanto aguardava o embarque no aeroporto Santo Dumont, no Rio, rumo ao Espírito Santo, Bolsonaro presenciou o momento em que a Polícia Federal efetuou a prisão do Presidente da Assembléia do Rio de Janeiro, Jorge Picciani, durante uma das ações Operação Cadeia Velha deflagrada na manhã desta terça-feira.

Logo depois que desembarcou em Vitória o deputado presidenciável Jair Bolsonaro conversou com os jornalistas e debateu com políticos e lideranças locais. Vale a pena ver este vídeo em que Bolsonaro fala sobre diversos temas que afligem a população brasileira e responde perguntas de políticos, jornalistas e lideranças capixabas. 

Sponholz: República de bananas.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

segunda-feira, novembro 13, 2017

EM CIMA DO LANCE: NÃO IMPORTA COMO FLOREIEM O MONSTRO, O SOCIALISMO NÃO PRESTA.



Leiam este texto, vejam o vídeo e compartilhem esta postagem. O vídeo tem pouco mais de 2 minutos que valem por mil. É importante que as pessoas saibam a verdade que a grande mídia tenta escamotear. Entretanto, as redes sociais furam o esquema de lavagem cerebral em massa executado por meio de “fake news” ou então pela censura a qualquer informação que contrarie a narrativa esquerdista.
É primeira vez na história do Ocidente que se torna possível aos cidadãos ocidentais conhecerem a verdade dos fatos. Ainda que tentem por meio de algoritmos ou mesmo por uma legião de censores como fazem redes sociais como Facebook e Twitter, para citar as que possuem maior capilaridade, ou ainda os sites de busca como Google e correlatos, não conseguirão deter a veiculação da verdade.
Não será surpresa se Facebook, Twitter, Youtube e Google caírem em desgraça, ao mesmo tempo em que poderão surgir outras redes sociais com uma nova dinâmica trilhando o caminho da liberdade.
Enquanto isso a luta continua com as ferramentas disponíveis. Exemplo de criatividade que amplia enormemente as possibilidades de conhecimento real dos fatos é o que faz o site Tradutores de Direita. Trata-se de um pessoal jovem que vem proporcionando ao público de idioma português conhecer novas fontes de informação antes restritas ao mundo anglófono.
Exemplo desse trabalho são os vídeos como este que ilustra esta postagem, bem como outros que tenho editado aqui no blog. Isto é ouro puro em informação permitindo aos leitores o acesso a informações de excelência que antes da internet eram inacessíveis.
No texto que segue os Tradutores de Direita explicam e comentam o conteúdo do vídeo que é imperdível. Leiam:
HORA DE LIMPAR A SUJEIRA
Nas palavras do saudoso economista Milton Friedman, “se o governo federal estivesse a cargo do deserto do Saara, em 5 anos faltaria areia.” Talvez, em nenhum lugar do mundo isso se cumpriu melhor do que na Venezuela.
Em 1914, os venezuelanos perfuravam seu primeiro poço de petróleo e entravam, definitivamente, no mercado petrolífero, competindo com os grandes produtores árabes. O país experimentava seu primeiro milagre econômico, curiosamente quando o governo ainda não gerenciava a exploração e a comercialização do petróleo venezuelano (que estava nas mãos da iniciativa privada). Um século mais tarde, a distopia: o país ainda flutua no petróleo, agora nas mãos do governo, e sua economia está totalmente devastada.
Rafael Acevedo é venezuelano, economista e professor universitário. Neste trecho de uma palestra dada para o Instituto Mises nos EUA, Acevedo faz uma rápida retrospectiva da deterioração da economia e do bem-estar dos venezuelanos, desde a ascensão do populista Hugo Chavez em 1998 até os dias atuais. Acevedo expõe o verdadeiro legado do “Socialismo do Século XXI” na Venezuela – hiperinflação, pessoas comendo comida do lixo, escolas que não ensinam, hospitais que não curam, racionamento de itens básicos como farinha, pão e medicamentos, e o policiamento da vida diária do cidadão por parte do governo.
Neste vídeo, Acevedo manda um recado especificamente ao socialista Bernie Sanders, mas consequentemente à legião de jovens americanos desmiolados que o seguem, e a personalidades como Sean Penn, Danny Glover e Noam Chomsky que, há pouco tempo atrás, não poupavam palavras de admiração pelo regime chavista: não importa como floreiem o monstro, o socialismo não presta.
Tradução: Andrey Costa
Revisão: hsilver

Sponholz: Tucanos depenados.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

sábado, novembro 11, 2017

MESMO SOB O AÇOITE DO ESTABLISHMENT A PRÉ-CANDIDATURA DE JAIR BOLSONARO CRESCE E SE TRANSFORMA NUM FENÔMENO ELEITORAL


Neste vídeo a chegada de Bolsonaro no aeroporto de Belém do Pará em outubro de 2015. Portanto a popularidade de Bolsonaro não começou agora.

O comportamento da grande mídia brasileira em relação ao deputado presidenciável Jair Bolsonaro  emula a mainstream media norte-americana em relação ao Presidente Donald Trump. Exemplo disso pode ser observado no site da Folha de S. Paulo. Trata-se das famigeradas “fake news”. No caso da Folha de S. Paulo, o títuto sobre matéria a respeito de uma nota divulgada por Bolsonaro com esclarecimentos sobre sua equipe de assessores foi qualificada de “carta aos brasileiros”. De forma matreira e debochada a Folha sugere que Bolsonaro repete o esquema ilusionista do Apedeuta para enganar os eleitores.

Ilustra a “fake news” do panfleto esquerdista dos Frias uma série de fotos de Bolsonaro com fartas legendas tendo como título geral “As polêmicas de Bolsonaro”. Na verdade Bolsonaro não divulgou nenhuma “carta aos brasileiros” já que o lead na matéria diz que o parlamentar “afirmou numa espécie de  ‘carta aos brasileiros’ “. afirmativa esta por conta de quem escreveu a reportagem que não está assinada, ou seja, é de responsabilidade da empresa Folhas.

Com mais de 40 anos de jornalismo sei muito bem como as empresas jornalísticas fazem estas coisas. Se o texto não leva assinatura de nenhum profissional é a opinião da empresa, tal qual o editorial. Um jeito para malhar Bolsonaro resguardando o autor da ‘fake news’.

Isso dá uma ideia do que vem por aí. E, ao mesmo tempo, também é a prova cabal de que Jair Bolsonaro surge na corrida presidencial à frente de todos os demais candidatos. Neste caso resta aos institutos de pesquisa colocarem o Apedeuta na cabeça e Bolsonaro em segundo lugar enquanto os restantes têm a preferência de suas respectivas famílias, supõem-se...

Na campanha eleitoral norte-americana aconteceu exatamente a mesma coisa. Hillary Clinton flanava em primeiro lugar até que os votos começassem a ser contados. Acompanhei pelos sites dos institutos de pesquisa norte-americanos. Todos eles davam como favas contadas a vitória da vovozinha esquerdista. O Partido Democrata inclusive havia montado um grande show para comemorar a vitória.

E, para variar, neste final de semana, a esquerdista revista britânica The Economist, ponta de lança do globalismo, também se intrometeu na política brasileira, vejam só, para desqualificar Jair Bolsonaro, fato que por si só comprova a excelente performance do candidato. Como diz o velho adágio ninguém chuta cachorro morto.

Jair Bolsonaro está igual à massa de pão, quando mais se bate mais cresce. Trata-se de um fenômeno eleitoral e não é a primeira vez nem a última que isso acontece.

Todavia, o arsenal de “fake news” é inesgotável. Já surgiram análises tentando comparar Bolsonaro com Fernando Collor. Não colou e não irá colar por um motivo muito simples. É a primeira vez na história do Brasil que surge um candidato presidencial com uma agenda rigorosamente conservadora. Ao mesmo tempo registra-se também pela primeira no Brasil o aparecimento de um eleitorado tipicamente conservador a par de uma intelectualidade também conservadora que não está apenas falando nas redes sociais mas que já chegou à academia, historicamente controlada pelos esbirros do velho Partido Comunista Brasileiro que deu origem a essa miríade de siglas esquerdistas.

É essa força conservadora, ainda meio desorganizada, o sustentáculo da pré-campanha de Jair Bolsonaro, fato que deixa o establishment perplexo. A grande mídia, a pedra de toque do establishment, acaba se tornando ridícula como ocorreu durante a campanha de Trump e, principalmente, depois que passou a ocupar o famoso Salão Oval da White House.

Daqui até outubro do próximo ano, portanto, veremos acontecer coisas do arco da velha. O establishment tentará de tudo para afastar Jair Bolsonaro do páreo. Todavia, não custa lembrar que a tentativa de golpear fortes expectativas políticas sempre foi o estopim de crises institucionais. Ou precisa desenhar?